Class C Airspace: All the Details You Need to Know

Quando falamos de espaço aéreo, quanto mais nos aproximamos do início do alfabeto, mais nervosos ficam alguns pilotos. Cada classe de espaço aéreo que se desloca para a Classe A é acompanhada por regras e regulamentos adicionais que podem parecer intimidantes.

Isso significa que devemos evitar voar em espaço aéreo Classe B ou Classe C e nos ater ao espaço aéreo Classe E ou talvez até Classe G , onde os pilotos VFR nem sequer são obrigados a falar com o ATC?

De jeito nenhum. Pode ser necessário um pouco mais de planejamento e prática, mas vale a pena o esforço para ampliar nossas escolhas de destino. Assim que soubermos o que esperar, como identificar e como voar no espaço aéreo Classe C, não parecerá tão assustador.

O que é espaço aéreo Classe C?

O espaço aéreo Classe Charlie ou Classe C é uma categoria movimentada de espaço aéreo controlado encontrada perto de aeroportos de médio porte que atendem tanto à aviação geral quanto ao tráfego aéreo. O principal aeroporto em um espaço aéreo Classe C possui uma Torre de Controle de Tráfego Aéreo (ATCT) operacional e também Controles de Aproximação por Radar Terminal (TRACON). Aeroportos secundários menores também podem estar localizados dentro do espaço aéreo Classe C.

O objetivo do espaço aéreo Classe C é aumentar a segurança da aviação na área terminal e diminuir o risco de colisões aéreas, fornecendo serviço de separação de tráfego. Tanto o tráfego de Regras de Voo Visual (VFR) quanto de Regras de Voo por Instrumentos (IFR) podem operar no espaço aéreo Classe C, desde que atendam aos requisitos operacionais e estejam dentro dos mínimos climáticos para suas regras de voo. Dito isto, grande parte do foco do espaço aéreo Classe C é evitar conflitos de tráfego para aeronaves IFR.

Nos Estados Unidos, as operações de tráfego aéreo e o serviço de controle de aproximação são componentes essenciais do espaço aéreo Classe C. Pilotos e controladores de tráfego aéreo trabalham juntos para garantir a movimentação segura e eficiente das aeronaves tanto nos padrões de tráfego quanto neste espaço aéreo controlado.

Ao coordenar estreitamente o controle de aproximação e empregar procedimentos estabelecidos, os Estados Unidos mantêm um alto padrão de segurança da aviação no espaço aéreo Classe C.

Formato do espaço aéreo Classe C

A forma do espaço aéreo classe C

O espaço aéreo Classe C tem um formato muito distinto, muitas vezes chamado de bolo de casamento de cabeça para baixo, porque seus anéis internos e externos se empilham para parecer um bolo de camadas invertidas. O anel interno, comumente referido como núcleo interno, geralmente tem um raio de 5 milhas náuticas e se estende desde a superfície até 4.000 pés AGL.

O anel externo, ou área de plataforma, normalmente começa a uma altitude de 1.200 pés AGL e se estende até 4.000 pés AGL com um raio de 10 milhas náuticas.

A justificativa para o formato único do espaço aéreo Classe C é que a área da plataforma e o anel interno mantêm as aeronaves que chegam e partem do aeroporto maior, separadas com segurança de outro tráfego.

Ao mesmo tempo, aviões lentos e de baixa altitude podem voar abaixo da área de plataforma e fora do anel interno do espaço aéreo de Classe C, pois operam em aeroportos menores próximos que não fazem parte do espaço aéreo de Classe C.

Este arranjo segrega efetivamente o tráfego e permite que aeronaves mais lentas e de baixa altitude que operam em espaço aéreo de Classe G próximo e aeroportos menores, como aqueles no espaço aéreo de Classe D ou Classe E, permaneçam fora do anel interno do espaço aéreo de Classe C.

Como localizar o espaço aéreo Classe C

Como localizar o espaço aéreo Classe C

O espaço aéreo Classe C é representado em seccionais VFR, IFR em rota de baixa altitude e gráficos de área terminal. Procure dois círculos magenta concêntricos que representam os anéis interno e externo do espaço aéreo.

Dentro de cada um haverá um conjunto de dois números magenta em negrito, empilhados um sobre o outro e separados por uma linha horizontal que parece uma fração. O número superior é o teto desse anel e o número inferior é o chão.

Os números estão em centenas de pés MSL, então um número máximo de 40 significa que o teto desse anel se estende por 4.000 pés MSL.

A 4.001 pés você está em um espaço aéreo diferente. Um piso de 12 significa 1.200 pés MSL. Se o espaço aéreo se estender até a superfície, em vez de números, a parte inferior da equação será “SFC”.

Em raras circunstâncias, a topografia pode forçar o espaço aéreo Classe C a ter uma forma não padronizada, como um oblongo, mas ainda assim será representado usando linhas magenta em negrito e frações que indicam o piso e o teto de cada anel. O espaço aéreo de Classe C de formato quase retangular em um vale em Ashville, Carolina do Norte, é um bom exemplo de espaço aéreo de Classe C de formato anormal.

Requisitos do espaço aéreo Classe C

Para entrar no espaço aéreo Classe C, todas as aeronaves devem atender aos seguintes requisitos:

  • Dois canais de rádio
  • Transponder Modo-C
  • Dispositivo de saída ADS-B
  • Estabelecimento de comunicação bidirecional com o controlador do espaço aéreo
  • Siga as restrições de velocidade

Observe que voar abaixo do anel externo, ou plataforma, do espaço aéreo Classe C não requer um transponder, mas voar acima do espaço aéreo Classe C exige. Além disso, a partir de 1º de janeiro de 2020 , dispositivos de saída ADS-B, como o uAvionix SkyBeacon e tailBeacon, serão necessários para todas as aeronaves com sistema elétrico operando no espaço aéreo Classe A, Classe B e Classe C.

Mínimos climáticos de classe C

Mínimos climáticos de classe C

Os pilotos podem voar VFR no espaço aéreo Classe C sob as seguintes condições climáticas mínimas:

  • 3 milhas estatutárias de visibilidade
  • 1.000 pés acima das nuvens
  • 500' de folga abaixo das nuvens
  • 2.000 pés de distância horizontal das nuvens

Se as condições do aeródromo estiverem abaixo dos mínimos, mas você tiver pelo menos 1 milha legal de visibilidade e puder permanecer longe das nuvens, poderá ser possível receber uma autorização VFR especial . Em determinadas situações, esta autorização pode ser solicitada ao ATC e, se emitida, permite aos pilotos voar VFR numa área que esteja abaixo dos mínimos meteorológicos padrão.

Restrições do espaço aéreo Classe C

Restrições do espaço aéreo Classe C

Enquanto estiverem no espaço aéreo Classe C, os pilotos devem cumprir as seguintes restrições:

  • Manter comunicações de rádio bidirecionais
  • Transponder Modo-C ativado
  • Dispositivo de saída ADS-B ligado
  • Siga a direção do ATC
  • Velocidade máxima de 200 nós dentro de 4 milhas náuticas e 2.500 pés do aeroporto primário de Classe C

O controlador no espaço aéreo Classe C está focado em manter um grau seguro de separação de aeronaves. Para conseguir isso, as aeronaves IFR são mantidas separadas das aeronaves VFR usando separação visual, separação vertical de 500 pés ou resolução de alvo.

A separação da esteira de turbulência também é fornecida para garantir que aeronaves em diferentes classes de peso não viajem, decolem ou pousem muito próximas umas das outras. Isso ajuda a evitar que o piloto de um avião menor perca o controle ou sofra danos por encontrar a esteira da aeronave maior.

Como obter aprovação para entrar no espaço aéreo Classe C

A aprovação necessária para entrar no espaço aéreo da Classe C é semelhante à da Classe D, pois não é necessária uma autorização específica, mas é necessário estabelecer comunicação bidirecional com o controle. Para poder entrar no espaço aéreo Classe C, o piloto deve entrar em contato com o ATC antes da chegada. O contato será feito com o órgão ATC que presta serviços para o espaço aéreo designado.

Programe sua chamada inicial para que você tenha tempo suficiente para estabelecer comunicação de rádio bidirecional antes de chegar ao espaço aéreo Classe C. Lembre-se de que você deve ter estabelecido comunicações bidirecionais para ter autorização para entrar no espaço aéreo.

Procedimentos de rádio para espaço aéreo Classe C

  1. Indique seu indicativo de chamada, posição, altitude, código do radar, destino e solicitação. Observe que os controladores em alguns locais preferem uma chamada fria de cortesia primeiro, simplesmente com seu indicativo e que você tenha uma solicitação. Isso garante que eles estejam prontos para copiar suas informações.
  2. Assim que o controlador responder a você com seu indicativo de chamada completo, mesmo que ele simplesmente diga para você ficar em espera, a menos que tenha dito especificamente para você ficar em espera fora do espaço aéreo Classe C, você estará autorizado a entrar (desde que atenda aos outros requisitos). Se o controlador solicitar que você fique em espera sem repetir seu indicativo, você não estará autorizado a entrar.
  3. Algumas instalações possuem um programa de controle de aproximação para fornecer ao tráfego VFR que chega informações detalhadas de pouso, a menos que esta informação esteja incluída no ATIS e o piloto declare que possui esse ATIS. Este programa é voluntário, mas incentivado. Poderá ser solicitado que você entre em contato com o controle de aproximação e depois mude para a torre para obter mais informações.
  4. Ao partir de um aeroporto com uma torre de controle operacional no espaço aéreo Classe C, você deve estabelecer comunicações de rádio bidirecionais com controle antes da decolagem e manter comunicações com o ATC conforme indicado enquanto permanecer no espaço aéreo Classe C.
  5. Se você estiver decolando de um aeroporto satélite sem torre dentro do espaço aéreo Classe C, estabeleça comunicações de rádio bidirecionais “assim que possível após a partida”.

Aprendizado

Voar no espaço aéreo Classe C não é tão intimidante, uma vez que você entende isso. O espaço aéreo Classe C é projetado para estabelecer e manter uma separação segura entre o tráfego misto de aviação geral e aéreo.

Geralmente tem o formato de um bolo de casamento invertido e é representado em gráficos com dois anéis magenta em negrito junto com números que indicam o piso e o teto do espaço aéreo dentro de cada anel.

Os pilotos devem atender aos requisitos operacionais e mínimos climáticos, além de estabelecer comunicação bidirecional com o ATC para voar dentro do espaço aéreo. Enquanto estiverem no espaço aéreo Classe C, os pilotos devem cumprir as restrições e continuar a cumprir os requisitos.

Como você estará em contato com o ATC durante todo o seu tempo no espaço aéreo Classe C, é importante estar confortável e fluente em comunicações de rádio. O ASA Say Again, Please: Guide to Radio Communications é uma excelente atualização para ajudá-lo a desenvolver confiança nessa habilidade. Temos um guia chamado " Como melhorar a comunicação ATC (Guia) " que pode ajudá-lo a compreender as habilidades de comunicação por rádio.

ASA Diga novamente, por favor: Guia do piloto para comunicações de rádio (7ª edição)

ASA Diga novamente, por favor: um guia do piloto para comunicações de rádio

Conversamos durante toda a vida, mas dominar as comunicações aéreas pode ser uma das partes mais difíceis do voo. Felizmente, "Diga novamente, por favor: Guia para comunicações de rádio" existe para ajudá-lo a aprender as regras de engajamento do rádio.

Ver produto

Quer uma atualização rápida sobre as outras categorias de espaço aéreo? Confira estes artigos:

AirspaceEducationTraining

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.

Produtos em destaque

ASA Flight Planner Sheets
ASA
Planilhas de planejamento de voo ASA
Preço promocional$5.99 USD Preço normal$7.95 USD
Em estoque
Rod Machado's Private Pilot/Commercial Handbook
Rod Machado
🎅 Christmas in July Sale 🎄
Manual do Piloto Privado/Comercial de Rod Machado
Preço promocional$71.99 USD Preço normal$84.95 USD
Em estoque

Últimas postagens do blog

Ver tudo
Why the Bose A20 is the #1 Selling Aviation Headset

Por que o Bose A20 é o fone de ouvido de aviação mais vendido

Headsets

O fone de ouvido de aviação Bose A20 conquistou uma ampla base de fãs entre os pilotos por sua incrível qualidade de som e design durável. Apesar de opções mais recentes estarem disponíveis no mercado, como o Bose A30 , o fone de ouvido A20 mantém sua popularidade na comunidade da aviação.

Nesta revisão, exploraremos os fatores que contribuem para seu apelo duradouro e por que ele continua a ser a melhor escolha para pilotos de todos os níveis de habilidade.

Flying in Thunderstorms (What to Do & What Not to Do)

Voando em tempestades (o que fazer e o que não fazer)

Visualmente deslumbrantes e cheias de poder mortal, as tempestades são um dos fenômenos climáticos mais fascinantes e perigosos que você provavelmente encontrará como piloto. Estima-se que 40.000 tempestades surjam diariamente em todo o mundo, então suas chances de ter que lidar com uma são razoavelmente altas.

How to Acquire a Helicopter License (Step by Step)

Como adquirir uma licença de helicóptero (passo a passo)

Education

Então, você quer obter uma licença de helicóptero, mas não tem certeza de como fazê-lo? Talvez você tenha uma licença de asa fixa e queira se dedicar ao rotor, ou esteja apenas começando e esteja interessado em eventualmente seguir a carreira de piloto de helicóptero. De qualquer forma, nós ajudamos você. Hoje iremos orientá-lo no processo e no que esperar ao adquirir uma licença de helicóptero.