Aviation Risk Management (Learn from The Pros)

Voar traz certos riscos. Afinal, nós, como humanos, não fomos fisicamente projetados para voar alto ao lado dos pássaros. A biologia diria que fomos feitos para permanecer firmemente plantados no chão.

Ainda assim, alcançar os céus parece fazer parte do nosso ADN, então como podemos fazer isso da forma mais segura possível? Há algo que possamos fazer para tornar a aviação menos arriscada?

Manter-se seguro e mitigar riscos é hoje uma prioridade tão grande na indústria da aviação que existem equipas e empresas inteiras dedicadas a criar medidas formalizadas para atingir estes objectivos.

O desenvolvimento destas medidas é comumente referido como gestão de risco da aviação e irá ajudá-lo a identificar potenciais problemas e, esperançosamente, corrigir o problema na primeira vez que o encontrar.

Vamos entrar neles! O que é gerenciamento de riscos de aviação - Pilot Mall O que é gerenciamento de risco de aviação?

Gestão de riscos da aviação é um termo que se refere ao processo que as empresas e até mesmo os pilotos individuais utilizam para mitigar os riscos inerentes à aviação.

Durante o processo de gerenciamento de riscos, você passará do desenvolvimento de uma consciência de alto nível sobre os perigos potenciais até a criação e execução de um plano que reduza seu impacto potencial.

Por que o gerenciamento de riscos é importante?

Um plano formal de gestão de riscos é fundamental porque garante que existe uma forma metódica e bem planeada de identificar potenciais riscos de segurança e minimizar o seu risco potencial.

Sem um plano de gestão de riscos em vigor, as empresas e os pilotos não teriam uma forma clara de responder aos perigos e o potencial de lesões e acidentes catastróficos aumentaria.

fechar uma mão segurando um bloco que diz risco Quais são as etapas do processo de gerenciamento de riscos da aviação?

O processo de gestão de riscos pode ser dividido em 6 etapas principais. As etapas são concluídas sequencialmente e depois revisadas conforme necessário para abordar novos perigos ou para melhorar a eficácia do plano existente.

Embora o processo de gerenciamento de riscos possa ser aplicado em nível organizacional, à medida que percorremos as etapas, nos concentraremos especificamente em como você, como piloto, pode aplicá-los em seu cockpit.

1. Identificação de perigos

A consciência e o objetivo de identificar perigos significa pensar proativamente. Antes mesmo de ocorrer uma situação de risco específica, um piloto experiente sabe que tipo de condições e circunstâncias podem levar ao risco.

Sua consciência aumenta com o tempo à medida que você ganha experiência com sua aeronave. Treinamento e orientação podem ajudar, assim como a comunicação.

Faça uma Lista Preliminar de Perigos (PHL) de alto nível dos perigos potenciais dos quais você está ciente.

2. Identifique riscos específicos

Agora é hora de identificar riscos específicos. Nesta fase, você deseja registrar informações detalhadas sobre riscos, abordando perguntas sobre quem, o quê, onde, quando, como e por que relacionadas às condições perigosas identificadas na primeira etapa. Pinte um quadro do risco exato.

3. Conduzir avaliação de risco

Você sabe com quais situações específicas tem motivos para se preocupar. Durante a etapa de avaliação de risco, você determinará a probabilidade de ocorrência da situação de risco e avaliará sua pior gravidade possível.

A Administração Federal de Aviação possui uma Matriz de Avaliação de Risco (ver anexo 1) que o ajudará a categorizar o nível de ameaça para criar um plano de gerenciamento de risco eficaz.

Matriz Preditiva de Riscos - Pilot Mall

Probabilidade

Classifique a probabilidade de ocorrência da situação de risco como uma das seguintes:

    • Improvável : Tão improvável que se possa presumir que nunca ocorrerá
    • Remoto : Improvável, mas possível
    • Ocasional : Provavelmente ocorrerá em algum momento
    • Provável : ocorrerá diversas vezes
    • Frequente : É provável que ocorra com frequência

Gravidade

Avalie a gravidade potencial dos danos caso a situação de risco ocorra.

    • Negligenciável : menos que ferimentos leves e/ou menos que danos leves ao sistema
    • Marginal : Lesões leves e/ou danos menores ao sistema
    • Crítico : Lesões graves e/ou danos graves ao sistema
    • Catastrófico : Resulta em fatalidades e/ou perda do sistema

Trace as classificações de Probabilidade e Gravidade na Matriz de Avaliação de Risco para descobrir onde elas se cruzam. Isto determina o nível do risco e se um plano precisa ser implementado para mitigar o risco.

Os níveis de risco são definidos como “baixo, médio, grave e alto”. Riscos de baixo nível são aqueles que se espera que aconteçam com maior frequência ocasionalmente e com gravidade apenas insignificante.

No outro extremo do espectro, os riscos elevados são aqueles de gravidade crítica cuja probabilidade de ocorrência é considerada pelo menos provável, bem como riscos catastróficos que ocorrem ocasionalmente ou com mais frequência.

4. Determine quais protocolos/procedimentos de gerenciamento de risco são necessários

Priorize sua lista de riscos com base nos níveis de risco identificados na etapa anterior. Isso permite que você comece definindo planos para as situações de maior risco e trabalhando de trás para frente a partir daí.

Determine se o risco atual é tão baixo quanto razoavelmente prático (ALARP), uma vez que a maioria dos riscos não pode ser completamente eliminada.

Para cada risco que não seja ALARP, desenvolva um plano de ação. As ações comuns incluem a adição de dispositivos de segurança e alerta e/ou procedimentos e treinamentos adicionais.

5. Implementar Protocolos/Procedimentos de Gestão de Risco

Agora que você tem um plano em vigor, é hora de implementá-lo em tempo hábil. Quanto menos pessoas estiverem envolvidas, mais fácil será o processo de implementação.

As pessoas tendem a não gostar de mudanças, portanto, esteja ciente de que você pode enfrentar a reatância e a falta de adesão dos outros se eles forem solicitados a alterar a maneira como sempre fizeram as coisas.

6. Monitorar e avaliar a eficácia do plano de gerenciamento de riscos

Assim que o novo plano estiver em vigor e sendo seguido, você precisará monitorar e avaliar seus resultados. Crie um sistema de monitoramento que o ajude a responder às seguintes perguntas:

    • O plano está sendo seguido de forma consistente?
    • O nível de risco diminuiu?
    • O nível de risco atingiu um nível tão baixo quanto os níveis de risco razoavelmente práticos?

7. Modifique o plano conforme necessário

Durante a sua avaliação poderá perceber que o plano de gestão de riscos, embora implementado, não reduziu o risco para níveis aceitáveis. Nesse caso, reavalie o plano e ajuste conforme indicado.

Implementar o plano revisado e continuar monitorando os resultados. Repita essas etapas até que o nível de risco se torne o mais baixo possível.

close de mãos preenchendo um formulário de avaliação de risco - Pilot Mall 3 características essenciais para uma gestão de riscos aeronáutica bem-sucedida

À medida que você avança no desenvolvimento e implementação de seu programa de gerenciamento de riscos de segurança, verifique você mesmo e certifique-se de que está incorporando as três características principais que são essenciais para o sucesso.

1. Consciência Situacional

Ter um alto nível de consciência situacional significa que você está constantemente alerta e altamente sintonizado com o que está ao seu redor. Você sabe como é a aparência, os sons, os cheiros e a sensação normais. Se algo anormal ocorrer, você perceberá imediatamente.

Isso é crucial porque pequenas coisas podem ser grandes. Quanto mais cedo você notar uma pequena anomalia em sua aeronave ou nos arredores, mais tempo terá para determinar se há um problema. Isso lhe dá tempo para tomar medidas corretivas antes que a situação se torne catastrófica.

2. Reconhecimento do problema

Depois de tomar consciência de uma situação anormal, é fundamental desenvolver suas habilidades de reconhecimento de problemas. Muitas vezes podemos ser tentados a descartar uma anomalia aparentemente pequena e insignificante.

Como pilotos, esse julgamento precipitado poderia facilmente ser fatal. Treine-se para perguntar: “Qual é o pior problema que esta anomalia pode indicar?” Em seguida, investigue e, se existir algum problema, reconheça-o. Essa mentalidade pode ajudá-lo a mitigar riscos.

3. Bom julgamento

O último componente-chave a ser levado consigo em sua jornada de gerenciamento de riscos é o bom senso. Você notou a pequena anomalia e reconheceu o problema.

A etapa final é fazer um julgamento sobre o que fazer a seguir. Se esse problema ocorrer no ar, é fundamental que você use o bom senso para decidir qual é o melhor e mais seguro curso de ação.

Você se vira? Você mantém o curso? Você desvia para um aeroporto diferente?

O bom julgamento é aprimorado por anos de experiência, mas se você é um jovem piloto que ainda não tem experiência pessoal, ainda existem maneiras de cultivar o bom julgamento.

Pratique pensar em diferentes cenários que podem ocorrer durante o voo e repasse qual seria sua resposta. Leia livros que outros pilotos escreveram para compartilhar situações que aconteceram com eles.

Antes de contarem como responderam ao problema, decida o que você faria nessa situação. Em seguida, leia a resposta e o resultado.

Finalmente, se possível, encontre um bom mentor que esteja disposto a investir tempo treinando você e ajudando você a desenvolver suas habilidades. Mais tarde em sua carreira, pague adiante e torne-se um mentor.

Recapitular

Algum nível de risco é inerente ao voo, mas como aviadores responsáveis, devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para diminuir o nosso nível de risco. Podemos assumir o controle e gerenciar nossos riscos desenvolvendo e implementando um programa de gestão de riscos.

Um bom programa de gerenciamento de riscos de segurança inclui:

    • Desenvolver a consciência dos perigos
    • Identifique os riscos e especifique-os
    • Realizar uma avaliação de risco para determinar a probabilidade de ocorrência de uma situação de risco e a gravidade das repercussões
    • Determinar quais protocolos ou procedimentos de gerenciamento de risco são necessários para reduzir o risco a um nível aceitável
    • Implementando os novos protocolos/procedimentos
    • Monitorar e acessar a eficácia do plano de gerenciamento de riscos
    • Modificar o plano conforme necessário com base na eficácia da sua avaliação de risco

As três características que você deve cultivar para maximizar o sucesso do gerenciamento de riscos de segurança são:

    • Consciência situacional
    • Reconhecimento de problemas
    • Bom julgamento

Ao desenvolver e implementar um plano sólido de gerenciamento de riscos e cultivar as habilidades de tomada de decisão para reconhecer e lidar com problemas com sucesso, você estará no caminho certo para uma vida inteira de voo mais seguro possível.

Leituras mais focadas na segurança para ajudá-lo a evitar desastres aéreos:

Ser capaz de identificar perigos começa com uma grande base de conhecimento. Confira nossos guias, eles são úteis tanto para pilotos da aviação geral quanto para pilotos comerciais.

Você achou este artigo útil?

Você acha que perdemos algo importante em relação à avaliação de risco? Você tem alguma estratégia de mitigação de risco que gostaria de discutir? Deixe-nos saber nos comentários abaixo!

Education

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.

Produtos em destaque

ASA Aircraft Fuel Tester
ASA
Testador de combustível de aeronaves ASA
Preço promocional$8.49 USD Preço normal$9.95 USD
Em estoque
The Beast Super Power Bank
PilotMall.com
🛍️ New Product
A Besta Super Power Bank
Preço promocional$109.99 USD Preço normal$149.99 USD
Em estoque
Gleim Online Safe Pilot Course
Gleim
🔥 Hurry Only 2 left!
Curso Piloto Seguro Online Gleim
Preço promocional$29.99 USD Preço normal$34.95 USD
Em estoque

Últimas postagens do blog

Ver tudo
Flying in Thunderstorms (What to Do & What Not to Do)

Voando em tempestades (o que fazer e o que não fazer)

Visualmente deslumbrantes e cheias de poder mortal, as tempestades são um dos fenômenos climáticos mais fascinantes e perigosos que você provavelmente encontrará como piloto. Estima-se que 40.000 tempestades surjam diariamente em todo o mundo, então suas chances de ter que lidar com uma são razoavelmente altas.

How to Acquire a Helicopter License (Step by Step)

Como adquirir uma licença de helicóptero (passo a passo)

Education

Então, você quer obter uma licença de helicóptero, mas não tem certeza de como fazê-lo? Talvez você tenha uma licença de asa fixa e queira se dedicar ao rotor, ou esteja apenas começando e esteja interessado em eventualmente seguir a carreira de piloto de helicóptero. De qualquer forma, nós ajudamos você. Hoje iremos orientá-lo no processo e no que esperar ao adquirir uma licença de helicóptero.

9 Low Time Pilot Jobs for Pilots With Less Than 500 Hours

8 empregos de piloto de baixo tempo para pilotos com menos de 500 horas

Professional Pilot
Você investiu tempo para obter um certificado de piloto comercial. Você abordou os privilégios e limitações que vêm com isso e agora está pronto para conseguir o primeiro emprego. O único problema é que você tem menos de 500 horas e muitas das listas de empregos exigem mais experiência.